Parada

9/18/2012


Parei pra ver passar...
Me diz, passou o que?
Há tanto preconceito
Nas ruas, na TV...

Parei pra ver passar...
Pra ver se resolver!
A bruta violência,
Que não dá mais pra gente fingir que não vê!

Pois se nós somos iguais
Perante a lei
Pois se nós somos iguais
Perante o pai
Pois se nós somos iguais
E como somos iguais
Queremos paz
Assim também como vocês!

Você parou pra ver passar,
Mas nem sequer parou pra ver
Que é preciso respeito!
Que é preciso então compreender!

Não cabem julgamentos,
E nem condenação!
Cadê o acolhimento,
Se somos uma civilização?

Pois se nós somos iguais
Perante a lei
Pois se nós somos iguais
Perante o pai
Pois se nós somos iguais
E como somos iguais
Nós buscaremos paz
Assim como vocês

Então,
Não basta vir pra ver passar!
Evite que outros inocentes sofram,
Estenda sua mão!

Então,
Não pare aqui pra ver morrer!
Caminhe junto sempre,
Plante essa semente da compreensão!

Porque nós somos iguais...
E como somos iguais!
Nós buscaremos paz
Sem ter separação!

Viver juntos e felizes
Vamos então?

Pedrosill

2 comentários

  1. Um tom e questionar sem perder o lirismo que nos põe a fazer refletir, há uma profundidade ainda que objetiva em teus versos. Gostei do espaço e teus poemas poeta, te convido a visitar minha página quando puder,

    um cordial abraço, Luiz.

    ResponderExcluir
  2. Caro Luiz,

    Fico muito feliz com sua visita e com suas palavras!
    Digo que é uma honra ainda maior quando considerações como a estas vem de um colega também poeta!
    E pode deixar que visitarei sim seu espaço...

    Forte abraço!

    ResponderExcluir