Da Borda...

8/02/2010

Da borda da piscina o menino se joga
Sem medo..., como se soubesse nadar
A calmaria da límpida água
Disfarça o quão fundo isso pode chegar

Da borda da piscina o menino não pensa
Em quais os perigos que pode correr
Se arrisca do alto pra ser refrescado
E na água, um salto mal dado até pode doer

Mas deixa o menino brincar
Deixa ele se entreter
Deixa o menino assim se apaixonar

E se o domingo instantâneo acabar
Pode ser que não venha a sofrer
Se antes disso ele se afogar
Há quem vá socorrer!

Pedrosill

2 comentários

  1. Na vida Pedrinho, também existem momentos em que precisamos nos arriscar, nos jogar na situação, mesmo sem saber quão fundo podemos chegar, o bom de tudo isso é que há sempre alguém disposto a nos ajudar, a nos socorrer. Parabéns, meu amigo, você consegue ler a nossa alma, a situação que vivem as pessoas que estão ao seu redor e transformar tudo em arte. Pedrosill, o poeta menino, da vida na arte!!! Tenho orgulho de você, viu??? Bjos

    ResponderExcluir