Busque um poema

14 junho 2010

Permita Enfim

Permita-me:
Pegar sua mão;
Há tanto que eu quero te mostrar...
Sei que na vida nada é em vão!
Que houve motivo pra gente se encontrar!

Permita-se:
Dar-me sua mão;
Pois temos várias coisas em comum...
Vejo você na cena que já atuei:
Amei, sofri, superei!

Como espada em punho, tudo tem dois lados:
Posso te ferir ou te proteger...
Mas já vivi rascunhos, hoje aprimorado:
Pronto pra servir, pra te satisfazer!

Assim como balança, dividindo os pesos:
Posso incluir, posso aliviar!
Já fui imprudente, hoje consciente
De como devo agir, de quanto posso amar!

Permita-me...
Permita-se...
Permita enfim!

Pedrosill
Compartilhe esse poema: