À Espera da Noite

5/12/2010

À espera da noite
Do agito que não sufoca
Do agito que me abre as portas
Pra que eu seja quem eu bem quiser

À espera da noite
O meu corpo revira, dá voltas
Uma reviravolta hormonal
A espera se faz surreal

(Eu estou)
À espera do surreal
À espera da porta
Essa espera me sufoca
E o meu corpo dá voltas

À espera da noite
Pra debruçar o pudor, na cama
Sem o pavor da lama
Que é onde deito na noite

À espera da noite
Pra tirar o meu paletó
Pra derrubar o suor
Em cima do seu...
Só por essa noite

À espera da noite
À espera do seu suor
À espera da lama
À espera da sua cama

À espera da noite
Pra esquecer o stress, fadiga
Pra viver outras alegrias
Sem pensar no raiar do dia

Pedrosill

4 comentários

  1. Muito bom Pedrinho!!! Dá vontade de esperar a noite chegar só para realizar tudo que vc sugere no poema, rs, sem se preocupar com o dia que vai chegar... Um abração!!!

    ResponderExcluir
  2. Com certeza uma noite vale muito a pena...O que seria da nossa vida se nós não tivéssemos ao menos bons momentos para lembrar...Certamente penso em coisas boas quando lembro de você...Parabéns muito legal...

    ResponderExcluir
  3. ERA MEU SONHO FAZER PARTE DESSA OBRA.....KKKKKK

    BJS PÂNTALA BUTTERFLY FLY FLY FLY!!!

    ResponderExcluir
  4. Pedrinho, arrazou no poema, me vi nele!!Eu to a espera de um momento surrel e a espera me sufoca, chega respirei fundo quando li o poema é como se "fosse feito pra mim". Obrigada por compartilhar com todos o seu lindo trabalho, e que sempre nos invade como seu tivessemos nos vendo, nas suas palavras. Parabéns!

    ResponderExcluir