À Beira de Copacabana

3/18/2010

Enquanto a onda vinha...
Meu olhar despistava!
A brisa te escondia...
Num chope: uma cantada!

A cada brincadeira:
Intenções reveladas!
Seria uma noitada?
Ou pela vida inteira?
E se for???

Deixa ser o que tiver que ser!
Deixa vir...
O que tiver que vir virá!
Nada de deixar pra lá!
Nada de deixar passar:
Um momento tão surreal!

Se dentro do meu mundo
Sou eu que faço as regras:
Decido se me pegas...
Ou se te impeço, calo e não vou!

Mas se o seu sorriso
Me acerta feito flecha...
Eu já não acho brechas!
Não vejo como escapar!
Não há como não deixar rolar!

Deixa ser o que tiver que ser!
Deixa vir...
O que tiver que vir virá!
Nada de deixar pra lá!
Nada de deixar passar:
Um momento tão surreal!

À beira de Copacabana:
A perfeita fotografia!
A perfeita companhia!
A perfeita sintonia
Encontrei no Rio o meu mar!

Pedrosill

2 comentários

  1. Nossa chega arrepiei... himagina se fosse pra mim.

    Lindo Pedro.

    ResponderExcluir
  2. eeeeeeeeeita, poeta de primeira, hein? Pelo visto o "Rio" te conquistou :p

    Beijoo :*

    ResponderExcluir