Novo Amanhecer

12/30/2009
Nada como viver a vida...
Entender que a despedida
É de fato um reencontro

Eu te conto os detalhes pra você entender:

Pra se encontrar
As vezes é necessário se perder

Nada como sofrer as dores...

Ver que a mão que te bate
É a mesma que mostra horizontes

Indicando a direção..
Dizendo bem forte: VAI!
E nunca mais volte querendo sofrer

Nada como sentir o momento...
Exato é o ato feito pra despertar
Pra algo que não podemos ver

Nada como agradecer
Pela implosão responsável
À reconstrução indispensável
De um novo amanhecer

Nada como viver a vida:
Entender que um encontro
É de fato despedida
De uma velha vida

Pedrosill

Cheia de Graça

12/20/2009
Maria que a vida me deu
Maria que me deu a vida
Maria que se arrependeu
De ter vivido despedida

Maria sorri ao me ver
Maria que me faz sorrir
Maria quis se comprometer
Em me deixar sempre feliz

Maria, quem diria
Que um dia iria chorar
Ao te ver chegar
Ao me ouvir cantar

Maria eu queria
Até o fim dos dias desfrutar
Da sua companhia
Dessa sua energia

Maria que me apresentou
Ao dom de escrever histórias
Maria que me apoiou
Na leitura da minhas memórias

Maria que me conquistou
Com o meu jeito de brincar
Maria se identificou
Nossa mania de sonhar

Maria quem diria
Que as cartas fossem funcionar
Ao te escrever
Pude exercitar

Maria eu queria
Neste dia agradecer
Graças a você
Aprendi a me expressar
Graças a você
Pude sentimentalizar

Pedrosill

Unilateral

12/20/2009
Sempre foi assim
Unilateral
Mas só agora consigo enxergar
Fez-se a sua voz
Descidiu findar
Mesmo com minhas razões no lugar
Sempre havia eu que sacrificar

Sempre foi assim
Unilateral
No fundo tudo que deve importar
É a sua cor
É o seu favor
E eu que esperasse passar sua dor
Era inútil tentar justificar meu amor

E assim
O tempo passa
E aos poucos começa a incomodar
Quanto a mim
O silêncio mata
E pacata parte vai se conformar

Sempre foi assim
Unilateral
E certamente nunca mudará

Pedrosill

Opção

12/20/2009
É fácil dizer o que se tem que fazer
É certo que é difícil fazer

No ponto crucial
Da chamada decisão
A dúvida em questão
Ser lógico ou passional?

Se seguir o coração
Terei perdas ou ganhos?
E se ouvir a razão?
Deixarei de ser humano?

Entre ir se banhar no mar
Ou Trabalhar numa pressão
Estando aqui em meu lugar
Qual seria a sua opção?

Entre seguir ou deixar
Tudo pede uma ação
Entretanto decidir, optar
Exige determinação!

A cinza vem do corpo em chamas
A vitória é de quem quer domar o drama
Com a porta entre aberta
A escolha mais certa
É fugir pra outra festa
Ou ficar com o que resta?

Pedrosill

Na espera

12/20/2009
Sim ou não?
Depois de tanto tempo
Essa espera me deixou aflito

Sim ou não?
Aguardo a decisão
Fico sofrendo por antecipação

Sim ou não?
É inevitável não ver
Que frente a mim existe um abismo

O fim no fim virá
E eu tenho medo
Quero saber o que de mim vai restar

Sim ou não?
Depois de tanta história
Já não contenho o medo do sofrimento

Sim ou não?
Respiro fundo
Chegou a hora de tudo mudar

Será que irá?
Inaceitável esperar
Sua figura por mais um segundo

Pra ver que o fim virá
Eu tenho medo
Da tal resposta que vou encontrar
Será que vai mudar?
Eu tenho medo
Do meu desejo não se realizar
Como eu pedi a Deus
Nas minhas preces
Sofrer de amor assim ninguém merece

Mais uma hora a mais
E eu não vejo a hora de escapar
Se o fim no fim chegar
Eu recomeço
Parto pro mundo rumo ao meu sucesso

Pedrosill

Vade Mecum

12/13/2009
Vêm
Me deixa vir também
Te quero perto
O jeito certo
É o jeito que só você tem

Vêm
Me deixa vir também
De peito aberto
Eu confesso
Quero ficar cada vez mais perto

Vêm
Vêm correndo me levar
Pro seu castelo encantado
Quero adormecer sobre seus braços

Vêm
Vêm de pressa, vêm bem devagar
Não há nada que impeça
Vêm por que meu bem a hora é essa!

Eu pronto
Descarrego um pouco do meu
No teu porto seguro
Segura minha mão!

Pronto!
Me deixo à seu gosto
Me encanto de um jeito
Que ninguém mais
Viu?

Recomecei de coração
Prontidão, estou aberto
Me sinto desperto
Quando mais perto de ti

Me sinto mais vivo
Quando perto te sinto
Recomecei!
E comecei a me sentir novamente feliz
Esse novo alguém pra mim chegou
E chegou quando eu mais quis!

Vêm
Correndo me seqüestrar
Correndo me escravizar
Correndo me resgatar
Correndo se apaixonar
Correndo me apaixonar
Correndo pra mim
Vêm pra cá
Vêm comigo!

Pedrosill

En canto

12/04/2009
O meu sinal vermelho
Acesso o ano inteiro
Cansou de trabalhar
Quis repassar a bola
Achou que era hora de repousar
O meu sinal de alerta
Quis me dar uma brecha
Quis me ver aventurar

E lá fui eu
Peguei na mão
Do meu guardião
Fui atravessar
Com permissão de Deus
E pé chão
Andei só
Pra variar a voz
Que solto em canto
Enquanto canto
Um encanto vem me libertar

O meu espelho severo
Nunca negou verdades
Mas numa bela tarde
Mostrou que ainda era tempo
Preso por tanto medo
Achei que fosse estória
Me convenceram de tentar
Contar minhas memórias

E lá fui eu
Peguei na mão
Do meu guardião
Fui atravessar
Com permissão de Deus
E pé chão
Andei Só
Pra variar a voz
Que solto em canto
Enquanto canto
Um encanto vem me libertar

Andei só
Pra te mostrar meu tom
Nesse momento
E eu agradeço a cada sentimento

Pedrosill

Instante

12/04/2009
Faz um mês
Que a gente se encontrou
E acabou
Eu não quis
Lembrar por que achei por demais
Insignificante
Por mais que tenha sido bom
Foi só por um instante
E esse instante já foi

Há quem possa se lembrar
Remeter fatos até
Acreditar que já não há
Mais nada pra se lembrar

Eu quis por toda a vida
Mas foi você quem decidiu
E assim sobrou amor
Mas pra onde foi?
Ninguém viu!
Doeu por um tempo
Mas estou vivo e melhor!
Pois se terminamos antes...
Antes que fosse pior!

Mas você...
A cada telefonema
A velha esperança
Maldita que não morre
Corre pra poder me assombrar
A cada reencontro
Desejos inesperados
Sonhando acordado com
Vontade de voltar

Eu quis por toda a vida
Mas foi você quem decidiu
E assim sobrou amor
Mas pra onde foi?
Ninguém viu!
Doeu por um tempo
Mas estou vivo e melhor!
Vou seguir adiante
Antes que seja pior

Pedrosill

Pobre Coração

12/04/2009
Ah! Pobre coração
Enfeitiçou por um ninguém
E mesmo assim sem razão
Ainda junta uns vinténs
Na esperança banguela
De encontrar conforto
Tão morto de cansaço
Em procurar consolo
Os braços de seu irmão
Já não esquentam tanto
Aproveita coração
Antes que quebre o encanto

Ah! Chora coração
Pra desabafar o que sentiu
Sei que vistes a solidão
De um jeito que ninguém nunca viu

Ah! Pobre coração
Se desespera ao ver
Sua grande paixão
Em outros braços adormecer
Fica lembrando promessas
Garantias irrisórias
De quando comprou as passagens
Pra uma viagem ilusória

Ah! Chora coração
Pra desabafar o que sentiu
Sei que vistes a solidão
De um jeito que ninguém nunca viu

E se num recomeço
Tudo se repetir
Como sobreviver
Ao que acabas de descobrir
Que as promessas são feitas
De tolas esperanças
E que falar é fácil
Como tirar doce de uma criança

Ah! Agüenta coração
Não vai despencar do meio fio
Saiba que ainda existe solução
Pra um coração amar a mil

Se num recomeço você
Não atingir felicidade
Não deixe o sol adormecer
Não dê lugar à tempestade

Pedrosill

Jura

12/04/2009
Seja eu
Seu bem
Seu mar pra navegar
Se aventurar

E esteja em qualquer lugar
Se precisar
Vou te ouvir
É só chamar

Que caminho léguas...
Que enfrento trevas...

Que insano juro
Adentrar no escuro
E te resgatar

Me fazer de luz
Pra te iluminar
Ser estrada e guia
Te acompanhar

Pedrosill

Seus Méritos

12/04/2009
Eu não teria me orgulhado tanto do que fiz
Ao ponto de por no papel tudo que senti
Eu não veria a mínima necessidade
Em tentar me tornar alguém perfeito

Eu não teria andado sem me preocupar
No jeito em que piso o chão
Eu não teria cantado cada vez mais alto
Sem me importar se alguém iria ouvir

Eu poderia ter aceitado qualquer destino já traçado
Não ter nenhum diferencial
Eu poderia seguir no meu velho lugar
E deixar a chance pra depois

Com você eu descobri o potencial que existe em mim
E que eu poderia sim tentar
Hoje quero que receba em dobro o que eu consegui
E que saiba de quem são os méritos!

Pedrosill

Se

12/04/2009
Se um de nós
Se algum dia
Se não der mais jeito
Se você cansar
Se você casar
Se entristecer
Se aborrecer
Se quiser mudar
Se acontecer
Se acabar

Me deixa
Saber de uma forma mais curta
Curta sua vida
Curta outras curvas

Se alguém por nós
Se algum dia
Se você pensar
Se modificar
Se arrepender
Se quiser voltar
Se eu te perdoar
Se acontecer
Reconquistar

Me deixa
Lembrar dessa nossa bagunça
O passado se guarda
O presente se muda

Se algum de vós
Se usar a voz
E argumentar
Querer convencer
De novo tentar

Me deixa
Aprendi que a estrada é curta
Mas que ainda há tempo
Pra uma nova aventura

Pedrosill

Descobri

12/01/2009
Eu me flagrei pensando
Sobre diversidades,
Atuais realidades,
Intenções e declarações.

Eu me vi sonhando
Com as possibilidades;
Quando tudo é novidade:
Suposições e superstições.

O medo que antes existia
Parece sumir do nada;
E eu de dentro de casa
Tive vontade de sair
Pra descobrir...
E descobri!

Pedrosill

Perdão

11/26/2009
Perdão
Pela intromissão
O controle
Total submissão

Perdão
Por suplicar
Exigir amar por obrigação

Perdão
Pela emoção
Excesso de cobrança
E desconfiança

Eu quis assim como você
Dizem que eu sempre quis mais
Mais do que eu deveria
Eu quis tentar
Perdão

Perdão
Pela euforia
Pela agonia

Perdão
Pela perseguição
Pela Obsessão

Perdão
Pelo sentimento
Descontentamento
E ressentimento

Eu vi que quis alguém
Que não me queria mal
Eu mal aproveitei
Eu que fui irreal

Senti que construí
A cama de lama pra deitar
A chama não quis apagar
Espero que possa perdoar

Pedrosill

Me Deixa Ser Seu

11/24/2009
Sempre que quiser
O que precisar
Estarei aqui
Não vou negar
Veja o que faço
Por um abraço
Por um beijo seu

Seja bem aqui
Ou ali por lá
Seja longe ou perto
Em qualquer lugar
Você vai notar
Que ha mais
Do que previu

O amor pra mim surgiu devagar
Mas logo então ganhou espaço
Veja estou apaixonado
O que mais posso falar

Ninguém jamais me completou
Tomou conta da minha mente
Consumiu de repente
Sei que nunca estive tão certo
Por isso tudo que te peço
Vem me deixar ser seu
Me deixa ser seu

Pedrosill

Permita Amar

11/24/2009
Em meio às revelações
O seu berrar ao me julgar
Era o que eu esperava ouvir

Com suas contradições
Me evitar ou censurar
Era como achei que iria agir

Mas o seu olhar
Ao me reencontrar
O primeiro abraço
Envolveu-me num laço
Você me aceitou

Do jeito que sou
Do jeito que eu sei
O amor não ter cor, sexo ou lei
E por onde eu for
Não levarei
No peito essa dor
Enfim me libertei

O que faço
Onde passo
Se venço ou fracasso

Se sozinho
Ou com alguém do lado
Já não há espaço
Pra você dizer
Se eu devo fazer

Do jeito que sou
Do jeito que eu sei
O amor não ter cor, sexo ou lei
Por onde eu for
Não levarei
No peito essa dor
Enfim me libertei

Se omito
Não minto
Confesso
Sem medo
Aberto
Convicto
Não dou um motivo
Pra me condenar
Se permita amar
Me permita mar

Do jeito que sou
Do jeito que eu sei
O amor não ter cor, sexo ou lei
Por onde eu for
Não levarei
No peito essa dor
Enfim me libertei

Pedrosill

Passou a Vez

11/19/2009
Eu pedi a mão
Um lado no colchão
A obrigação de ir à padaria
Eu pedi a mão
A chave do portão
E um espaço na escrivaninha
Eu pedi a mão
O seu coração
Ser uma parte da sua vida

Eu nunca iria imaginar
O quanto bom seria amar
Eu nunca iria prever
O quanto bom seria me entregar

Eu jurei ficar
Eu mudei pra lá
Fiquei sozinho a te esperar
Eu pedi a mão
O seu coração
A chave do portão da solidão

Eu nunca iria prever
Se um dia poderia me arrepender
Eu nunca iria imaginar
Se um dia poderia querer voltar

Foi justo o que fiz?
Apostei com tudo e perdi
Foi justo o que fiz?
Lutei contra todos e morri no fim
Foi justo o que você fez?
Tirou minha liberdade
Passou a vez

Pedrosill

Martírio

11/19/2009
O certo que sinto parece impossível
Algo from delírio ou inatingível
Confundo as idéias de tanto pensar
Engulo as palavras que quero falar

Não sei se já sabes ou imagina ser
Pois o pouco que tenho não quero perder
Nem por um momento nem no imaginar
Que se faz real com um simples olhar

Parece ser fácil, mas fácil é dizer
O medo é tamanho que escolho esconder
Por noites desejo por um só ensejo
Perceba o que sinto e que sintas o mesmo

Por fim me conformo com ar de pesar
A noite é longa e não quero chorar
Então lhe desejo felicidades
Você ainda nem se foi
Mas já me deixou saudades

Pedrosill

Além do Peculiar

11/19/2009
Freou os olhos
Ao sentir que era tarde demais
Pra seduzir com beijos
Estimular desejos
E reverter efeitos: nem um milagre!

Há muito mais aqui pra se enxergar
Além do pelicular
Ir além das meras fotos foscas
Quero ouvir da tua boca
Que quer me realizar

Não me confundo
Vou ao fundo do mistério
O som era estéreo
Mas não pôde me escutar
Uma palavra perdida
E já não há mais saída
Eu tinha tanta coisa pra te mostrar

Não sei por que me preocupo em ser completo
Se 1/4 é o que você quer usar
E quanto aos meus sentimentos
Empoeiram no canto, um tesouro que você não quer achar

Há muito mais aqui pra se tocar
Além do peculiar
Ir além das meras meias horas
Dar sem ter nada em troca
Saiba me realizar

Não me confundo
Vou ao fundo do mistério
O som era estéreo
Mas não pôde me escutar
Uma palavra Perdida
E já não há mais saída
Eu tinha tanta coisa pra te entregar

Não me iludo
Analiso tudo
Não sou o produto que você quer comprar
Eu tenho um preço, não nego
Por sentimentos me entrego
Eu tinha tanta coisa a compartilhar

Pedrosill

Seu Jeito

11/19/2009
O seu jeito descuidado de lidar
O seu modo de brincar
Não gostar de fazer planos
A sua vontade espontânea de dançar
Os jargões que aprende a falar
Já não me são estranhos

A roupa amassada da preguiça de passar
E quando insiste em se calar
Para acalmar os ânimos
A forma implicante que usas pra me conquistar
E o abraço que me dá
Quando estou mais precisando
Já não são estranhos

Mesmo quando eu não percebo ser
O que sei que eu não deveria
Algo em sua energia
Logo me faz compreender
E quando tudo quer desmoronar
Algo que eu não sei explicar
Me faz querer agradecer

O seu jeito paciente de agüentar
O meu jeito estranho de provar
Que o que eu sinto por você
É maior que o tamanho
E com essa sensação de gratidão
Que peço meu perdão
Pelo meu estranho jeito estranho de te amar

Pedrosill

As letras

11/05/2009
Escrevi quando me senti
Escrevi quando recuei
Escrevi quando prometi
Escrevi quando acordei

Movimento vou
Pensamentos estou
Tatuando na pele que sugere
O espaço perfeito
Pra que meu canteiro se revele
Na boa
Mas não é à toa

A todo momento
Derramo do meu peito
Com tinta de caneta:
As letras!
Um simples esboço
As lágrimas no rosto
Parecem vir de surpresa
Coisas do hoje e de anos
Parecem surgir me livrando

Os pesos
Os medos
Os erros
Os cercos
Desejos
Segredos
Anseios
Receios

Escrevi quando permiti errar
Escrevi quando resolvi pensar
Escrevi quando decidi me encontrar
Hoje ao escrever tento me lembrar

Que tudo que eu vivo
Sempre foi e será motivo pra me orgulhar
Fruto do que eu fui
Um simples pensamento me conduz a registrar
Me escrever
Me ler
Me decifrar
E aceitar

Os pesos
Os medos
Os erros
Os cercos
Desejos
Segredos
Anseios
Receios

Assino a minha vida!
E Assine também!
Que esse pensamento já não é só meu!

Pedrosill

Flechado

10/29/2009
Toma!... Cupido desgraçado
Que vivia solitário
E nunca se apaixonou
Toma!... Cupido perigoso
Ta com a corda no pescoço
Pronto pra morrer de amor
Toma!... Prova do próprio veneno
Sai do seu mundo pequeno
Vem provar do que é bom e ruim

Você sabe como é
Você já viu acontecer
Não é assim tão colorido
Como é visto na TV
Mesma coisa todo dia
Que até parece novela
O desejo por um pouco de aconchego
Que se encerra numa cela

Toma!... Cupido descuidado
Deveria ter pensado
Antes de ter aceitado
Toma!... Cupido azarento
Deveria ter mentido
Não sair do apartamento
Toma!... Cupido irracional
Hoje ta pagando o preço
De uma vida emocional

Você sabe muito bem
O desfecho, o final
Já viveu nos bastidores
Hoje é estrela principal
O romance vira drama
Terminando no terror
A rotina homicida te assombra
Faz de ti um sofredor

Toma!... Cupido engraçado
Sabe como é ser flechado
Hoje vive apaixonado

Pedrosill

Lembrando da Infância

10/26/2009
Eu to lembrando da infância
Eu to lembrando da infância
De quando tudo era...
Era tudo quando...

Eu não media as conseqüências
Eu não pedia referencias
Não entendia de ciências
E não gostava de estudar
Eu não enxergava tanta urgência
Nem necessidade em mudar

Eu to querendo brincadeiras
E não ter hora pra acordar
Ser enterrado na areia
E de viver dentro do mar
Correr na rua a tarde inteira
E não sentir o corpo cansar
Eu to querendo a brincadeira
De me esconder pra você me achar

Eu to lembrando da infância
Quero voltar a ser criança
Quero a inocência e implicância
Todas juntas no mesmo lugar
Quero voltar a ser criança
E não ter motivos pra me preocupar

Quero o cuidado dobrado
O abraço apertado pra me consolar
Quero total atenção
Segurar sua mão
E um beijo pra sarar
Quero o denguinho de graça
Emburrar por que você não me deixa ir
Quero o presente mais caro
E seu colo quente pra me fazer dormir

Eu to lembrando da infância
Quero voltar a ser criança
Quero a inocência e implicância
Todas juntas no mesmo lugar
Quero voltar a ser criança
E não ter motivos pra me preocupar

Pedrosill

Ímpar

10/02/2009
O primeiro dia
O primeiro lugar
O primeiro beijo
O primeiro acordar

É impar
Achar alguém
Que queira me achar também

O primeiro passo
O primeiro abraço
Lembro do seu rosto
No primeiro jantar
Sentir sem querer
A alegria transbordar

É impar
Querer alguém
Que queira te querer tão bem

São momentos raros
Motivo de se orgulhar
Virtuoso e pleno
Revivo ao recordar
Estrelar um filme
Numa noite de luar

É impar
Amar alguém
Que queira te amar tão bem também
Também é impar
O coração
A relação
A química

Pedrosill

Tua Gratidão

9/19/2009
Você deveria agradecer
Aos poemas
E as novelas
Que assisto
E me fazem insistir
No que sinto
Por você

Você deveria agradecer
A Previsão no horóscopo
E as promessas do tarólogo
Que me fazem prometer
Que eu sempre serei teu

Apesar das circunstâncias
E toda essa distância
Que percebo quando beijo no seu queixo
Apesar dessa loucura
Não sentir tua ternura
No afago que recebo
Quando encontro com você

Você deveria agradecer
Ao meu escudo
Ao meu instinto cego, surdo e mudo!

Você deveria agradecer
Aos poemas que escrevo
Onde solto as tensões
Aos amigos
Ao vizinho ter saído!

Você deveria agradecer
A devoção por altruísmo
A compreensão
A tolerância
O desejo da criança em se aventurar

Apesar das circunstâncias
E toda essa distância
Que percebo quando beijo no seu queixo
Apesar dessa loucura
Não sentir tua ternura
No afago que recebo
Quando encontro com você

Você deveria agradecer
A certeza que eu tenho
De quem completa minha vida
Que me liga as turbinas
Me programa, me pilota
E me capota
Feito não ter intenção

Passa os dias, dou o tempo
Por satisfação
Me dedico
Nem espero tua gratidão

Pedrosill

Filho Perdido

9/12/2009
Onde você foi buscar?
O abismo
Foi demais pra você!
Queria entender...

Onde você se escondeu?
Por nada
Vai mudar o que aconteceu...
Errado você escolheu!

Tu vais por quê?
Quer que eu vá?
Entender
É demais!
Arriscado eu sei!
Que seria bem melhor
Se você ficar...
Pode até render
Mais do que eu!
Te avisei!

Mas vá mesmo!
Assim é você quem escolhe
Aprender de um jeito ou
De outros...
Abraços!
Outro estranho
Que eu já não te sirvo!

Mas vá sabendo:
De tudo que tenho
Um caminho do qual me orgulho
De nunca ter!
Esquecido de onde?
Tenho vindo!

Pedrosill

A Visão

9/12/2009
A visão
Mostrou pra mim
Como era inútil se desesperar
E que a espera não era em vão

A visão
Desceu a mão
Então me trouxe calma
Paz pra minha alma
Levitou o coração

E eu que não sabia
Sentia o peso das lágrimas
Enxutas por poucas palavras
Uma iluminação

Dessas raras tempestades
De duras verdades
Eu não podia imaginar que
Ver além
Ver de longe
E sobre tudo
Só é possível para quem crê
Que certamente haja luz
E que é a vida que se encarrega
De nos resolver

A visão
Mostrou a direção

Pedrosill

Dom de Ferir

9/08/2009
Incrível
Como você tem o dom de me ferir
Mesmo quando estende a mão ou me faz rir
Confuso, já não quero as migalhas
E nem te amar no escuro

Hilário
Como me encanto e caio no conto do vigário
E te reservo um espaço em meu armário
Quando do seu coração
Já não me sobram brechas
Nem tempo pra visitação

Há um tempo atrás eu não perceberia
Tão seguro na certeza
Que meu surdo coração dizia
Que você acordaria
E que seria um novo dia
Há um tempo atrás eu ainda acreditava
Na mudança tão sonhada
Sentir que não são só palavras
Palavras facilmente vêm e vão
E paradas dentro do meu coração
Aprisionam um sentimento de paixão
Que me fazem persistir no teu perdão

Inevitável
Questionar um erro seu, um passo em falso
Com medo de machucar o meu frágil coração
Com a sua reação
Que me faz sentir a culpa
Das minhas cobranças e desculpas

Incompreensível
Seu discurso de deixar rolar o rio
Me prendendo nas barreiras do vazio
Se me minha presença te da forças,
Por que existir outras pessoas?

Há um tempo atrás eu não perceberia
Tão seguro na certeza
Que meu surdo coração dizia:
"Eu vou te amar seja onde e como for!"
"Suportarei alegremente toda dor!"
"Eternamente estarei a seu dispor!"
"Faça o que quiser de mim, meu grande amor!"

Incrível
Como você tem o dom de me ferir

Há um tempo atrás eu não perceberia
Tão seguro na certeza
Que meu surdo coração dizia
"Eu vou te amar seja onde e como for!"
"Suportarei alegremente toda dor!"
"Eternamente estarei a seu dispor!"
"Faça o que quiser de mim, meu grande amor!"

Há um tempo atrás eu não perceberia
Que a sua consciência
Seria o que nos impediria
Seria necessário tanta dor?
Pra você valorizar o nosso amor
Eu sinto tão de perto que o calor
Se foi, como foi?
Meu amor!

Aprendendo a Dizer Adeus

8/14/2009
Eu estou aprendendo a
Aprender a dizer adeus a quem me deu
Aprendendo com quem aprendeu como eu

Meu medo era ficar sozinho num quarto escuro
Na cama, deitado do lado de um novo a cada minuto
Até cheguei a questionar se iria mesmo ser melhor
Não me apegar e seguir sendo só

Eu estou aprendendo a
Aprender a dizer adeus a quem me deu
Aprendendo com quem aprendeu como eu

Nem um segundo eu pensei
No jeito que eu me sinto
Nesse momento e recinto
Se eu sinto a falta que você me faz
Ou se acho que ninguém mais
Vai trazer o que traz sua paz
Só me lembro que quis aprender a não te querer mais

Eu estou aprendendo a
Aprender a dizer adeus a quem me deu
Aprendendo com quem aprendeu como eu

Eu bati na sua porta por horas
Sentei na calçada
Adormeci! Enrolada!
Mas agora já basta
Decidi levantar, ir pra casa
Com minha cara amassada
Esquecer na esquina essa farsa

Eu estou aprendendo a
Aprender a dizer adeus a quem me deu
Aprendendo com quem aprendeu como eu

Como eu poderia fincar a bandeira da devoção
Quando seus pensamentos estão
Tão envoltos à indecisão
Eu irei aprender a dizer
Não importa em quem e quanto vai doer
Adeus pra você, pois eu quero viver

Se não conquistei...
Como posso perder?
Se eu não conquistei!

(Eu estou aprendendo a)
Como posso perder?
Se eu não conquistei
Aprender a dizer adeus a quem me deu

Pedrosill

Os Primeiros Passos (No Meu Colchão)

8/05/2009
Ele apertou o botão
Iniciou a reação
Eu com o pé do lado de fora
Não deu vontade de voltar
Eu só queria aproveitar

Ele me fez encarar
A porta já escancarada
Inocentemente a gente se curtiu
E ninguém nos viu

Como quem nunca esperava
Esse mundo novo iniciava

Quando tudo ainda era brincadeira
Eu que não sabia, e ele que não avisou
Que logo tarde então pra mim seria
E que eu decidiria
Que a partir daquele dia
Eu iria lembrar
Da iniciação
Da aceitação
A prorrogação
Dos primeiros passos no meu colchão

Nunca houve um sim
A gente só estava afim
E pra lá das duas a gente se encontrava

Nunca houve um não
Mas sempre quando em operação
A nossa meta a gente alcançava
Mútua-Satisfação

Como quem nunca esperava
Esse mundo novo iniciava

Quando tudo ainda era brincadeira
Eu não sabia, e ele não avisou
Que logo tarde então pra mim seria
E que eu decidiria
Que a partir daquele dia
Eu iria lembrar
Da iniciação
Da aceitação
A prorrogação
Dos primeiros passos no meu colchão

Ele apertou o botão
Iniciou a reação
Os primeiros passos em cima do meu colchão
Como quem nunca esperou
Inocentemente a gente se curtiu
Esse mundo novo iniciou
E ninguém nos viu

Pedrosill

Replay

7/24/2009
Replay
Pra quem se distraiu
Replay
Pra quem fez que não viu
A cena da Alma desolada
Acena quem nela não perdeu a calma

Replay
Pra quem fingiu que não sentiu
Amor não é atuação ou ficção
Replay
Pra quem não sucumbiu
Ao choro no drama
Da dama que perdeu quem ama

Nesse filme a cores
Desbotaram as flores
Falsas como os atores
Nesse cinema mudo
Preto e branco é o mundo
E eternas são as dores
Por amar vilões

Pedrosill

Paisagem Particular

7/24/2009
Os elementos do meu quarto
São os elementos do meu quadro
A minha vida imatura em exposição
Tudo que fiz em vão
Cada erro cometido
E os pedaços dos acertos espalhados pelo chão

Os elementos do meu quarto
São os elementos de um retrato a cores
A lembrança dos amores
Os desejos concebidos
Os segredos confessados ao pé do ouvido

Percebi que tudo ao meu redor
Me reflete, me remete
Aos momentos dessa vida
Que transformo em poesia
Em meio a tanta correria
Na insana tentativa de talvez eternizar
Essa minha paisagem particular
A visão que sempre quis ter ao acordar

Pedrosill

Elevado ao Cubo

7/23/2009
Apenas um segundo
Preso no meu cubo
Um mundo reservado só para mim

Incluso no meu quarto
Quatros cantos escuros
Sem noção de espaço, começo e fim

Penso nos momentos
E no que nós fizemos
Pra ficarmos separados por tanto
Tempo
É o que não tenho pra desperdiçar
Vou furar o meu casulo
Me transformar

Mudar o meu futuro
Lutar com o que tenho
Pra sempre estarmos juntos
Dentro do meu cubo

Apenas um segundo
É tudo que me basta
Pra elevar meu mundo ao cubo

Pedrosill

Fundamental

7/23/2009
Eu sempre quis dizer
Mas deixei passar
O dia-a-dia
A correria
Tudo contribuia
Se por falta de atenção
O segundo escorreu nas mãos feito areia

A bricadeira era...
A gente nunca espera
E de repente não te vejo aqui
Presente fica como lembrança
O olhar de uma criança
Que encantará
Onde estiver
Iluminará
Mesmo se eu não quiser
Me protegerá
Irá me trazer a fé
Me acalmará
Irá me encontrar por lá
Onde estiver

A brincadeira era ser especial
Fundamental é ter você perto de mim!

Pedrosill

ESTREANDO NO TELÃO: UM “JAPA” COISA DE CINEMA!

7/22/2009
Ontem no São João
Vindo das terras do Japão
Um novo nobre amigo
Havia chegado de supetão

Abusado e sem rodeios
Foi logo dizendo pra que veio
Topetando sem ter receios

Na primeira troca de roupa
Acompanhado por duas loucas
Fez um break pra lanchar!
E não é que chegando lá
Aquele menino da luar
Não parava de dançar!

Passada a primeira rodada
De sandubas e cocas geladas
Sugeriu fotos pra polemizar
Fincando a bandeira da união
Segurando câmeras e bastões na mão
Deliramos juntos fora do palhoção!

Logo depois da entrada
Casou-se de forma inusitada
Com os loucos que acabara de conhecer
Foi duramente criticado
Pra não dizer injustiçado
Por ter amigos da amanhecer

Mas quando tirou sua terceira veste
Se mostrou cabra de peste
Quanto amigo e quadrilheiro
E passado o São João
Ficou somente a sensação
De que quero esse Japa o ano inteiro

E na certa esse poema
Já é coisa de cinema
Apresentando pro mundo inteiro
O novo ator: Gustavo Monteiro!

Pedrosill
(ao amigo Gustavo Monteiro (Gú para os íntimos) , integrante do “Os Quatru.”)

Que Desculpa?!?

6/23/2009
O que lhe custa uma desculpa?
Um pedido de perdão

O que lhe custa a volta brusca?
Pra resgatar um coração
Deixado de lado sem razão
Sem motivo algum
Algum de nós terá
Que se esforçar
E recuar
Repulsando a solidão

O que lhe custa uma ajuda
Eu bem lembro as suas juras
Agora após toda essa luta
Você se recusa!
Me desculpa!
Mas que desculpa!

Eu Tenho Down

6/23/2009
Eu tenho down
Pra quem quiser usar
Eu tenho down
Se quiser é só pegar

Me dê um motivo
Um minuto e escrevo tudo
Se for pra fazer chorar posso até cantarolar
Berro feito louco
Pra mostrar que não tenho pouco
E que não vai passar

Eu tenho down
Pra quem quiser brincar
De esquecer que a vida é bonita
Lorotas na cuca pra pirar

Eu tenho down
Não consigo evitar
Eu tenho, eu sei que tenho
Não adianta me negar
Eu tenho down

Pedrosill

Reprise

6/23/2009
A nossa história não é inédita
Acho que vi na TV
Alguma coisa como ainda te amando
E você tentando me esquecer

A nossa história não é inédita
Acho que vi algo quase igual
A gente se torturado aos poucos
Fingindo estar tudo normal

Eu bem que queria mudar o futuro
E parar de atirar no escuro
Enfrentar me sentindo seguro
Eu bem que queria esquecer o final
Descobrir quem seria o mocinho
E punir todo o lado mal
E menos mal se eu não sofrer

A nossa história é uma reprise
Aquela mesma velha crise
Impaciência, intolerância
E tudo mais que possa incomodar

A nossa história não é inédita
Mas é que eu gosto de ver
Aquele filme antigo decorado
Que me faz reviver

Pedrosill

Max Farias, A Voz

6/07/2009
Mesmo sem conhecimento ou consentimento,
Atrevo-me a escrever sobre ele,
Xodó dos ouvintes apaixonados;

Facilmente... encanta, aconchega, diverte!
Além da simpatia estampada em seu sorriso,
Rajadas de boas e inteligentes palavras
Invadiram o inesquecível momento que nos conhecemos.
Até mesmo fora da rádio ou da web percebi que
Sua apresentação atinge o pico de audiência.

Agora onde quer que eu esteja, quero estar sintonizado!

Vastos sejam os sucessos teus que todos nós iremos ouvir!
Oportuno agora é o abraço que eu quero deixar para ti
Zarpe sempre assim sorridente em busca de ser feliz!

Pedrosill

Uma Loucura e Meia

5/28/2009
Qualidades vejo
E se parar descrevo
o seu perfil exato!

É o maior barato!
Pois pouco te conheço,
mas já te entendo.

Tão inexplicável
essa conexão...
...quimica perfeita!

Nunca estamos sãos
Quase que irmãos
Uma loucura e meia

E apesar de chegar
sem nem avisar
pra eu botar a mesa
Não insistiu ficar
Mas sugeriu mudar
a minha vida inteira

E logo de primeira
Me estendeu a mão
Abriu seu coração
E sem hesitação
Acatei por paixão à
sua alegria imensa!

Pedrosill

M.A.R.T.I.N.I.

5/24/2009
Maravilhoso o teu sabor na minha boca
Além do que qualquer coisa que eu poderia imaginar
Rapidamente, então, consumi teus litros
Tanto que me sinto hoje seco sem ti
Ilhado em minhas doces lembranças
Não ousei pensar em parar de te desejar
Intensamente como um porre daqueles... Necessários!

Pedrosill

Revelar

5/24/2009
Pronto pra surgir
Sem ninguém notar
Logo estará maior do que já
Sem nem perceber
Logo passará a permanecer

Nascido um novo num novo ovo
Lugar algum vai deter
Aquilo que eu sempre quis ser

Novas Expectativas
Sonhos de uma nova vida
Vinda com a dor da partida
Vai dando lugar ao que não havia
Avia!
Alivia!

Pronto pra marcar
A nossa vida
Implora
Cada minuto
Luto feito louco
Preso no meu calabouço
Busco um pouco de ar
Pronto já decidi
O que será de mim
Daqui ou onde imaginar
Chegarei onde quero ficar
Estou pronto pra me revelar

Novas Expectativas
Sonhos de uma nova vida
Vinda com a dor da partida
Vai dando lugar ao que não havia
Avia!... Avia!... Avia!
Alivia!

Pedrosill

O Pouco Que Restou

5/24/2009
Anoiteceu...
A dor surgiu no peito e nunca adormeceu
Aqui no meu pranto brando
registro sem pudor:
A falta do calor
no pouco que restou de nós
dos nossos lençóis
amarelos do suor
E da poeira que caiu
E acumulou em cima
daquela mobília
que você deixou
Coberta
de fortes lembranças
da nossa época
daquela outra época
em que sorrir era constante

E na estante
retratos pendurados
na lembrança do meu antiquário
com o pouco que restou
daquilo que costumávamos chamar
de sabor
desabou
desandou
O pouco que restou

Pedrosill

O lucro

5/11/2009
Sabe aquele olho murcho?
Sabe aquela boca muda?
Sabe aquela roupa suja?
Hoje eu to a fim de lavar!

Sabe aqueles tantos anos?
Sabe aqueles poucos ganhos?
Pedidos de desculpas
Toda aquela culpa se foi
E não vão mais voltar

Se a soma das noites perdidas
For maior que a das noites gozadas
Se a soma das gotas de lágrimas
Encobrir fantasias vividas
De quem é o lucro?
E quem eu sepulto?
(Eu ou você?)

Sabe aquele sonho todo?
Sabe aquele amor roxo?
Sabe todo aquele pouco tempo
que restou pra mim?
Eu quis aumentar
Quis me libertar
E passar o meu tempo tendo
Alguém quem sabia me valorizar

Se a soma das noites perdidas
For maior que a das noites gozadas
Se a soma das gotas de lágrimas
Encobrir fantasias vividas
De quem é o lucro?
E quem eu sepulto?
(Eu ou você?)

Deixa ele sentir saudade
Chorar de verdade
E mais cedo ou mais tarde ver a realidade
Deixa ele sentir saudade
E chorar de verdade
Ver mais cedo ou mais tarde
Que a realidade arde

Mandado de Busca

5/11/2009
Nessa nova cidade
Desconheço metade de mim
Intenciono buscar
Procurar quem estiver a fim

E quem não quer me acompanhar
Que fique onde bem está
Quem não quiser me acompanhar
Que fique onde bem está

Nesse novo segundo
Me reacendo no escuro
Escolho um lado do muro
Dou um pulo pro mundo

E quem não quer me acompanhar
Que fique onde bem está
Quem está pra lá e ainda cá
Que fique onde menos se machucar

Nessas novas esquinas
Bebendo adrenalina
Cada beco uma estima
De viver minha sina

E quem não quer me acompanhar
Que fique onde bem está
Quem não quiser aproveitar
Que chore até o rosto inchar
Quem não quiser se aventurar
Que fique onde bem está

Se sou?
Não sei!
E se quiser ser?...
...Aquilo que por muito tentei esconder
Se já estou...
Eu vou ficar!
Até não ter mais ruas por onde andar
Até cansar de encontrar
Em cada canto da cidade
O meu melhor:
Que dizem ser felicidade!

E quem não quer me acompanhar
Que fique onde bem está
Quem não quiser aproveitar
Que chore até o rosto inchar
Quem não quiser se aventurar
Que fique onde bem está
Quem não quiser me acompanhar
Que fique onde menos se machucar

Pois segurei na luta
Com mandados de busca
Nessa vida tão curta!

Pedrosill

Outra Vez

5/06/2009
Diz
Que quando esse novo alguém chegar
Irei recomeçar
Deixar pra traz a mágoa e o amor
Se tudo acabou
Por que me vejo aqui?
Imaginando sentir aquele calor
Outra vez

Outra vez
Eu sem vez
Desejo outra vida
Pois o que quero dessa não se realiza

Diz
Que não vai demorar
Que essa fase ferida funda logo vai sarar
Se o que existe é fim
Então por que chorar?
Não vai adiantar
Pois certamente ele nem vai me notar
Outra vez

Outra vez
Eu sem vez
Sem meu lugar
Desejo outra saída
Por que nessa você não se finaliza
Outra vez

Outra vez
Eu sem vez
Sem meu lugar
Vou me mudar
Achar um novo coração pra habitar

Pedrosill

Nada Vale A Pena Sem Me Amar

5/05/2009
Eu sempre quis amar alguém
Pra mim era você
Não foi!
(...Por falta de aviso?...)
Eu cai...

Eu,
Bem comigo
Mesmo!
Eu sem os mesmos medos
Eu de página virada
Sigo em paz com minha própria alma

Choro de felicidade
Oportunidade de firmar meus pés no chão
Rir por espontaneidade
Sem me preocupar em passar qualquer impressão
Vivo meus momentos
Tudo que me lembro é de aproveitar
Nessa louca intensidade
Nada vale a pena sem me amar

Eu aprendi
Graças a ti
Não me arrependi

Eu em minha nova estrada
Desenho o meu próprio mapa
Na mala, lições acumuladas.
Caminho sem nenhuma mágoa

Eu aprendi
Graças a ti
Eu acordei

A verdade estava exposta
Só agora eu consegui ver
Refiz minhas apostas
Com esperança de vencer
Viajando em minhas aspirações
Usando como combustível: emoções!
Lembrando de nunca esquecer
Que pra ganhar não posso me perder

Eu aprendi
Graças a mim que quis enxergar
Que nessa louca intensidade
Nada vale a pena sem me amar
(Eu aprendi)
Que nessa louca intensidade
Nada vale a pena sem me amar

Ciúmes

2/12/2009
É algo que vem lá de dentro
E ninguém pode perceber
A não ser aquele mesmo ser que sente
É difícil de controlar
Descontrole é a maior missão
Uma dor só de pensar em descobrir
Que tudo foi em vão

E o mundo enorme encolhe
A mente fértil cresce
E esquece tudo que já se viveu
E um louco espuma
Chora e te impõe a culpa
De um crime que não cometeu

E eu não me sinto o mesmo
Daquelas noites passadas
Mal dormidas
Porém muito bem aproveitadas
Eu não te vejo no lugar
Que penso que deveria estar
Até que leve um certo tempo
Pra eu para de imaginar

Enquanto isso o mundo enorme encolhe
A mente fértil cresce
E esquece tudo que já se viveu
E um louco espuma
Chora e te impõe a culpa
De um crime que não cometeu

Seriam teus raros sinais?
Ou momentos breves de carícias?
Ou as variadas fantasias?
(Que não falas)
Com medo de apavorar...
Seria meu jeito inseguro?
Por não ver o outro lado do muro...
Que faz minha cabeça girar
E pensar que posso ser usado
Somente pro tempo passar

E enquanto isso o mundo enorme encolhe
A mente fértil cresce
E esquece tudo que já se viveu
E um louco espuma
Chora e te impõe a culpa
De um crime que não cometeu

E o louco enfrenta a dura luta
Quase sempre muda
Tentando acreditar que nada aconteceu

Produto Imperfeito

2/11/2009
As lágrimas derramadas
Palavras não faladas
E tudo que eu não sequer imaginava
As mentiras e entraves
Fechaduras sem as chaves
Tudo que eu não degustasse
Brigas e querubins
Amizades e afins
A minha vontade de existir
Acabam por fazer de mim

Um produto imperfeito
Resultado dos defeitos
Que não quis enxergar
Diamante lapidado
Resultado das virtudes
Que a vida me fez acreditar

A essência e a casca
Antes não identificadas
Hoje existem separadas
Os desejos e os vícios
Os momentos já vividos
Sentimentos esquecidos
Os começos e os fins
A vontade de explodir
Tudo que eu já senti
Acabam por fazer de mim

Um produto imperfeito
Resultado dos defeitos
Que não quis enxergar
Diamante lapidado
Resultado das virtudes
Que a vida me fez acreditar

Personagem da história
Inexistente na memória
De quem não me viu passar
Implicante pelo fato
De querer deixar meus rastros
Só pra alguém me notar

Eu ando por aí pensando...
Formulando, apostando num futuro ainda incerto
E mesmo quando no meu canto
Me lembrando de manter meus olhos sempre abertos

Aprendendo a aprender...
Insistindo em ainda ser:

Um produto imperfeito
Resultado dos defeitos
Que não quis enxergar
Diamante lapidado
Resultado das virtudes
Que a vida me fez acreditar

Refletindo minhas ações
Aspirando por mudanças
Aceitando bem melhor as conclusões
Renunciando meus libidos
Confessando o que é preciso
Me curando dos meus vícios
Escrevendo um novo início

Pedrosill

Aparte

2/11/2009
Todo o calor que do amor me restar
Lembranças vagas
Todo o valor que a lição me ensinar
Verdades largas

A Lágrima que insiste em tentar não cair
O ombro que surge pra eu não desistir
O tempo que levarei pra me reencontrar

Toda ferida que deve cicatrizar
Toda esperança que devo deixar brotar
Todas as marcas que irão se perpetuar

Fazem parte desse aparte que nos parte
Mas a vida deve continuar

Toda canção que me fará lembrar
Aquela emoção que um dia me fez sonhar
Com aquele perdão que eu nego te dar

Fazem parte desse aparte que nos parte
Mas a vida deve continuar

Pedrosill

Muros

2/04/2009
É preciso de dois ou três tijolos
Pra enfim edificar
Toda a história de um homem
Que sobe de andar em andar
Em busca da satisfação
De olhar com outro olhar
Em cada detalhe uma estima
A esperança de pavimentar
Sua vida com todos os sonhos
Que a realidade não pôde lhe dar
E com cimento ele ergue seu peito
Na tentativa de suportar
Dias cada vez mais amargos
Que de mais nada se pode esperar
E Mais tarde ao passar nesta esquina
Esse alguém irá pensar
Que com suor e paixão
Fez tão belo este lugar
Que logo abrigará pessoas
Protegendo-as de tudo que um dia temeu
Mas que apesar de tanto esforços
Nada daquilo seria seu
E assim mais um dia termina
E logo outro ele verá raiar
A espera no ponto de ônibus
De uma vida que não vai chegar

Pedrosill